Recepcionista com sintomas de Covid-19 acusa médico de assédioDivulgação/Prefeitura de São Vicente

ASSÉDIO SEXUAL - Uma recepcionista de 29 anos denunciou, nas redes sociais, um caso de assédio sexual sofrido durante uma consulta médica no Centro de Controle de Coronavírus, localizado em São Vicente. O crime ocorreu no último dia 4 de agosto. A vítima registrou um boletim de ocorrência após o caso. O médico suspeito foi afastado de suas funções após as denúncias.

No vídeo que circula na internet, a recepcionista Vivian Herculano Salvatore, conta ter procurado a unidade, localizada na Rua João Ramalho, no Centro de São Vicente, após sentir sintomas relacionados à Covid-19. No local, um médico passou a perguntar sobre o que ela sentia e sugeriu que a paciente estivesse enfrentando um quadro de estresse.

“Ele perguntou o que eu estava sentindo e descartou que eu estivesse com a doença. Disse que estava com estresse e que isso poderia ter desencadeado os sintomas”, afirmou a vítima.

Na sequência, o médico a indagou sobre passatempos para curar o estresse. “Ele me perguntou o que eu gostava de fazer para me desestressar. Achei aquilo estranho, mas disse que gostava de ler e de ir à praia, o que não estava fazendo por causa da pandemia”.

O médico então, conforme relata a vítima, teria voltado a mencionar que ela precisava desestressar e perguntou se a jovem namorava. “Eu falei que tinha dois filhos e que era solteira. Aí ele me perguntou se eu tivesse a oportunidade de namorar, se eu namoraria. Eu respondi que não sabia”, relatou a jovem.

Sem perceber a investida do médico, a paciente permaneceu na sala aguardando encaminhamentos para exames e um atestado médico da consulta. “Ele recomendou que eu fizesse um raio-X e informou sobre o teste rápido e o teste RT-PCR (laboratorial)”.

O médico, que teria receitado 7 dias de descanso à jovem, teria recomendado a ela retornar na semana seguinte ao seu consultório. Ele ainda ressaltou à paciente que ela poderia ir direto ao seu consultório, sem a necessidade de ser atendida previamente na recepção da unidade.

“Eu fiz um raio-X e quando voltei a porta da sala dele estava entreaberta. Foi quando ele voltou a perguntar sobre ter um namorado. Ele me perguntou se me faltava coragem, oportunidade ou vontade. Eu apenas respondi que não sabia”.

Sem entender o que estava acontecendo, a jovem voltou a ser indagada pelo médico, que insistia na investida. “Dessa vez, começou a cair minha ficha. Ele falou: se você pudesse desestressar agora, às 14h30, o que você faria?”. Na sequência, o médico, segundo relata a paciente, teria olhado para a porta entreaberta.

Em seguida, ainda conforme Vivian, o médico se levantou em sua direção e voltou a perguntar sobre ter coragem. Ele teria mencionado ainda que era só fechar a porta. “Ele voltou a me dizer: a oportunidade você tem agora. O que te falta, coragem ou vontade?”

O médico ainda questionou a jovem sobre sentir falta de calor humano, como um abraço, e que isso poderia desestressá-la.

Ainda em choque com tudo o que estava acontecendo, Vivian conta ter deixado o consultório. A recepcionista pensou em ir embora, mas voltou para dentro do hospital e denunciou o caso de assédio à direção da unidade.

“Eu só pensava que ele poderia ter feito isso com outra menina, mais nova. Eu nunca passei por isso. Tenho 29 anos e não sabia como agir. Imagina uma jovem de 18 anos”, relata.

Após o caso, a recepcionista registrou um boletim de ocorrência. A Reportagem procurou a Prefeitura de São Vicente, que, por meio da Secretaria de Saúde (Sesau), informou que a denúncia está sendo apurada pelos órgãos competentes e que o médico foi imediatamente afastado de suas funções.