Gremar contabiliza mais de 380 pinguins resgatados nas praias da regiãoDivulgação/Gremar

MEIO AMBIENTE - Em ações pelo Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), o Instituto Gremar já contabiliza um total de 382 pinguins-de-magalhães (Spheniscus magellanicus) resgatados nas praias do Santos, São Vicente, Guarujá e Bertioga, no litoral de São Paulo, entre os dias 20 de junho e 6 de julho (segunda-feira).

Deste número, 114 foram resgatados com vida, sendo 56 em Bertioga; 41 no Guarujá, 13 em Santos e 4 em São Vicente; outros 268 foram resgatados mortos ou vieram a óbito antes de chegar ao Centro de Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos, no Guarujá (SP): 120 em Bertioga, 126 no Guarujá, 4 em Santos e 18 em São Vicente).

A maioria dos pinguins encontrados com vida estava abaixo do peso e com sinais de exaustão, alguns em estado grave.

Outros casos incluem ferimentos leves, e presença resíduos sólidos (lixo) no trato gastrointestinal.

A equipe do Instituto Gremar segue trabalhando para salvar o maior número de vidas possível, assim como as demais instituições que integram o PMP-BS, visto que o encalhe de pinguins-de-magalhães tem ocorrido em diversos pontos do litoral brasileiro nas últimas semanas.

Período migratório
A chegada do inverno no Hemisfério Sul representa o início do período migratório da espécie. Os pinguins partem das colônias que habitam na Argentina, Chile e Ilhas Malvina rumo à costa brasileira, em busca de alimento. O longo trajeto, a influência das correntes marinhas e o eventual impacto de ações antrópicas costumam aumentar o número de encalhes em nosso litoral.

Nestes casos, o Instituto Gremar recomenda aos munícipes que não toquem, nem devolvam os animais ao mar. Também deve-se evitar aglomerações e fazer contato o mais rápido possível com a instituição ambiental mais próxima.

O Instituto Gremar pode ser acionado para resgates de animais marinhos, vivos, debilitados ou mortos pelos telefones 0800 642 3341 e (13) 99711 4120.