Casal briga, mulher morre em PG e suspeito chama amiga da vítima para primeiros socorrosDivulgação Governo do Estado de SP
POLÍCIA - Foi preso nesta quarta-feira um homem de 38 anos suspeito de feminicídio ocorrido no bairro Ocian, em Praia Grande, por volta das 7 horas da última sexta-feira (26). Ele morava com Stephanie Oliveira Barbosa, a vítima, de 28, que morreu por asfixia mecânica. O caso foi registrado na Delegacia de Defesa da Mulher inicialmente como morte suspeita. No entanto, após realização de perícia, constatou-se feminicídio e está sendo investigado.

"No dia, o perito não constatou nada de anormal no local que fizesse constatar que fosse um homicídio. Não havia sinais de violência. A polícia conversou com vizinhos e ninguém ouviu barulho, assim como o irmão da vítima também não escutou nada de estranho. Apenas tinha ocorrido uma discussão do casal na noite anterior aos fatos. Também foram encontrados comprimidos de Diazepam (calmante) no apartamento", explica a delegada Lyvia Bonella, titular da DDM.

No entanto, o delegado assistente telefonou no dia seguinte para o Instituto Médico Legal e o médico legista contou que, conforme o laudo, Stephanie havia morrido por asfixia mecãnica, por esganadura. "Com base nisso, também foram analisadas as imagens do monitoramento do prédio e viram que a vítima subiu com o suposto autor dos fatos ao apartamento. Dormiram lá aquela noite. E o irmão da vítima havia saído meia hora antes, pela manhã. Então tudo leva a crer que o suposto autor foi o companheiro, o namorado da vítima", completa Lyvia.

Segundo a polícia, o suspeito não acionou o Samu de imediato. Stephanie trabalhava no Hospital Irmã Dulce, também em Praia Grande. E ele, então, chamou uma colega de trabalho da moça para prestar os primeiros socorros. "Como os vizinhos não ouviram barulho nenhum de briga e havia esses comprimidos de Diazepam, não se sabe se ele deu para a vítima algo para dopá-la e, com isso, não fazer barulho", emenda a delegada da DDM.

A relação do casal, segundo a mãe de Stephanie, foi cheia de idas e vindas. E ainda o suspeito mantinha um relacionamento duplo, de acordo com a polícia: além da vítima, há uma outra mulher, que está grávida de cinco meses. "Conforme depoimento de testemunhas, a ex-mulher parece que nunca deixou de ser ex. E a atual era a vítima", completa a delegada. O suposto autor tem registrado contra ele boletim de ocorrência de violência doméstica contra outra vítima.