"Deixa o povo relaxar", diz Bolsonaro ao criticar decisão que proíbe circulação nas praias de SantosReprodução/Twitter

POLÍTICA - Após visitar supermercados, padarias e postos de gasolina em diversas regiões do Distrito Federal e conversar com trabalhadores informais pela manhã, o presidente Jair Bolsonaro voltou ao Palácio da Alvorada na tarde deste domingo (29). O mandatário parou para falar com apoiadores e atendeu a imprensa. Dentre os temas abordados, Bolsonaro citou até mesmo a medida tomada pela Prefeitura de Santos, que proibiu a circulação de pessoas nas praias da cidade para conter a pandemia do coronavírus.

“Vi um cara sendo autuado porque estava andando na praia de Santos. Vi no Rio de Janeiro também um senhor que foi algemado por que estava na praia. Não pode ir para a praia? A praia é o lugar mais saudável que tem aberto”, disse Bolsonaro, demonstrando não concordar com a proibição. “Orientem a não ir, mas não exijam, não proíbam. Deixem eles (cidadãos) darem uma relaxada”, completou.

Segundo Bolsonaro, o isolamento social tem causado problemas psicológicos para os brasileiros. “Ele em casa passa a ter problemas. Façam um breve estudo, vão até as clínicas psiquiátricas, tem gente ficando neurótica. Está aumentando o número de gente que está lá”, afirmou.

Por fim, o presidente voltou a defender o fim do isolamento social. “Eu desconheço crianças, abaixo de 10 anos, que tenha morrido por causa disso. Posso estar errado, isso pode até ter acontecido. Mas é raro. A minha filha tem nove anos, por mim ela iria para a escola. O Brasil não pode parar, se a gente parar vira uma Venezuela. E um terreno fértil para isso é a pobreza”, concluiu.

Veja a declaração sobre proibição de ir a praia em Santos a partir do 14º minuto do vídeo: