Região de Santos reduz homicídios, latrocínios e todas as modalidades de roubos em 2019REPRODUÇÃO

SEGURANÇA - A região de Santos terminou o ano de 2019 com redução nos casos e vítimas de homicídios dolosos e latrocínios. Também apresentou queda em todas as modalidades de roubos e nos furtos de veículo. Pela terceira vez consecutiva não foram registradas ocorrências de extorsões mediante sequestro.

No período houve 15 casos a menos de mortes intencionais, em comparação com 2018. O número passou de 156 para 141. O mesmo aconteceu com o indicador de vítimas, que reduziu de 169 para 151. As quantidades são as menores da série histórica iniciada em 2001.

Com os resultados, as taxas anuais caíram para 6,74 casos e 7,21 vítimas de homicídios dolosos para cada grupo de 100 mil habitantes. Os índices são os menores da série histórica.

O indicador de roubos de seguidos de morte teve 12 ocorrências a menos no período. Foram oito boletins em 2019, contra 20 em 2018. O número de vítimas reduziu ainda mais, com 14 menos (de 22 para 8). Os números também são os menores da série histórica.

Em 2019 não houve registro de extorsão mediante sequestro. Essa é a terceira vez consecutiva que isso ocorre. Em contrapartida, foram registrados 26 casos a mais de estupro, totalizando 664 ocorrências.

Roubos e furtos
Todas as modalidades de roubos recuaram no ano passado, se comparado a 2018. Os roubos em geral caíram 6,6% (de 15.542 para 14.520); os roubos de veículo diminuíram 25,1% (de 1.992 para 1.493); e os roubos de carga reduziram 29,5% (de 560 para 395). Os roubos a banco tiveram dois casos a menos, com um registro de boletim.

A tendência de queda se estendeu para os furtos de veículos, que apresentaram a menor quantidade da série histórica. O indicador caiu 12,8%, passando de 3.330 para 2.904 – 426 casos a menos. Em contrapartida, os furtos em geral cresceram 9,3%, totalizando 28.937 boletins no ano passado.

Produtividade
O trabalho das polícias paulistas na região da Baixada Santista, em 2019, resultou em 11.771 prisões e na apreensão de 950 armas ilegais. No período houve aumento de 14,4% no número de flagrantes por tráfico de entorpecentes (de 2.100 para 2.397).