Testemunhas de ação policial em baile funk de Paraisópolis começam a ser ouvidas


12 dias atrás
Por: #Santaportal - Em 02/12/2019 às 09:11
Testemunhas de ação policial em baile funk de Paraisópolis começam a ser ouvidas Divulgação/Wikimedia

POLÍCIA - Um dia após a tragédia com 12 feridos e nove mortos em Paraisópolis, na zona sul da Capital, a Polícia Civil começa a ouvir hoje as testemunhas da ação policial. Integrantes do 89º DP irão ouvir frequentadores do baile funk, parentes das vítimas e policiais que ajudaram a socorrer as vítimas. Nove morreram pisoteadas e 12 ficaram feridas. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, uma mulher permanece internada.

Na tarde de ontem, seis policiais militares foram ouvidos na ação do baile e suas armas, apreendidas.

Segundo a polícia, os agentes do 16º Batalhão de Polícia Militar Metropolitana realizavam a "Operação Pancadão" na comunidade quando tiros foram disparados por dois homens em uma bicicleta. A dupla teria fugido para o baile funk efetuando disparos, inciando assim o tumulto do evento de cerca de 5 mil pessoas.

Em contrapartida, os frequentadores do baile negam essa versão. De acordo com uma mão de uma adolescente de 17 anos que foi agredida por uma garrafa por policiais, eles fizeram uma emboscada as pessoas presentes no baile.

O porta-voz da PM, tenente-coronel Emerson Massera, defende a atuação da tropa. Ele diz que nenhum policial tem a permissão de efetuar disparos e que os criminosos usaram os frequentadores para se proteger. Além disso, ele afirma ter vídeos que os vídeos onde policias agridem os frequentadores serão analisados.