ABRATA promove palestra com psiquiatra sobre transtorno bipolar; veja entrevistaReprodução/Arquivo Pessoal

EVENTO - O médico psiquiatra Volnei Costa, membro do Conselho Científico da ABRATA (Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos) vai ministrar palestra na próxima terça-feira (26), a partir das 19h30, no Auditório do Bloco E da Unisanta (Rua Cesário Mota, nº 8, 4o andar, Boqueirão, Santos). 

O tema é bastante atual: 'Por que o transtorno bipolar é tão confundido com a depressão? Como o paciente pode ajudar no diagnóstico?'. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail abratalitoral@abrata.org.br ou pelo Whatsapp (13) 99712-8692. O evento, promovido pelo Núcleo de Santos da ABRATA, é gratuito.

Formado em Medicina pela Universidade de Vassouras-RJ, com especialização em psiquiatria pelo Hospital do Servidor Público Estadual-SP, Volnei Costa foi entrevistado pelo #Santaportal para falar um pouco a respeito deste e de outros assuntos.

#Santaportal: O que é o transtorno bipolar? Quais as causas?

Volnei Costa:
O transtorno bipolar é uma condição médica de causa fortemente genética e que sofre influência de diferentes fatores, sejam sociais, químicos, ambientais ou psicológicos. Existem diferentes tipos de transtorno bipolar e, a depender de qual seja, pode variar amplamente no perfil de sintomas dos quais o paciente sofre.

Os principais sintomas são depressão, irritabilidade, alterações do padrão do sono, alteração dos níveis de energia mental e físico e, algumas vezes, prejuízo no controle dos comportamentos.

Santaportal: A incidência maior é em homens ou mulheres? Por quê? E em quais faixa ou faixas etárias? Por quê?

VC:
Mulheres e homens são acometidos igualmente por essa doença, mas elas buscam tratamento com mais frequência, sendo também mais diagnosticadas.

É mais comum o transtorno bipolar aparecer na adolescência – 12 a 18 anos, é uma característica dessa condição médica. No entanto, nos primeiros dez anos de atividade, a doença vem com sintomas que confundem o paciente e principalmente os profissionais de saúde, infelizmente atrasando o diagnóstico e tratamento adequados.

Santaportal: Por que o transtorno bipolar é tão confundido com a depressão?

VC:
O transtorno bipolar tem como sintoma principal a depressão e ele imita quase que de maneira idêntica o transtorno depressivo maior (chamado popularmente como “depressão”). O grande desafio é que o transtorno bipolar, ao ser tratado com antidepressivos, tende a piorar. Ele tanto pode apresentar sinais de mistagem – situação em que começa a coexistir um estado de depressão e de aceleração mental, quanto passar a rapidamente alternar em estados de tristeza profunda e estados de intensa agitação ou irritabilidade, além de surgir ou aumentar pensamentos relacionados à morte, inclusive suicídio.

Nesse sentido, é fundamental que uma pessoa que vá procurar o médico devido sintomas de depressão saiba informar ao profissional de saúde sobre o histórico de saúde mental dos familiares. Mais importante ainda é que os profissionais busquem ativamente nos sintomas da pessoa com depressão indícios de bipolaridade e que investiguem incansavelmente o histórico familiar.

Santaportal: Muitas pessoas dizem que a depressão é o mal do século. Concorda? E o transtorno bipolar? Como poderia ser classificado, levando em conta esse raciocínio?

VC:
Muitos estudos indicam que os transtornos de humor assumirão a primeira posição como doença incapacitante, daí concordar como sendo um grande mal no século. Os transtornos psiquiátricos, e aí se incluem os transtornos de humor, custarão muito caro para as famílias, a sociedade, para as empresas e o Estado. Ignorar esse custo fará com que a conta seja impagável em algum momento. A situação já é crítica.

Santaportal: A depressão é algo que, para pessoas mais desinformadas, é considerada uma “frescura”. Com o transtorno bipolar acontece o mesmo? Se sim ou não, por quê?

VC:
Associar os transtornos de humor (depressão e transtorno bipolar) a “frescura” é tão absurdo quanto afirmar que a terra seja plana ou que a AIDS não é provocada por um vírus. Esse tipo de pensamento está intimamente ligado à falta de educação em saúde. Cada pessoa tem seus traços de personalidade, o que pode fazer que cheguemos a um objetivo de uma maneira ou outra. No entanto, as doenças mentais podem modificar nossas características de personalidade. É preciso que o conhecimento seja disseminado na base da sociedade e de maneira acessível. Devemos falar sobre saúde mental abertamente com todas as faixas etárias e culturas.

Santaportal: No caso do transtorno bipolar (talvez o raciocínio valha também para a depressão), quando chega a hora de consultar um especialista no assunto? Por quê?

VC:
Sempre quando existem sintomas de depressão, um profissional de saúde deve ser procurado. Pode ser o psicólogo o enfermeiro da unidade de saúde, o pediatra para as crianças e adolescentes, clínico geral para os adultos ou psiquiatra para qualquer faixa etária. No entanto, se a depressão vem com sintomas muito intensos, dificultando fazer tarefas do dia a dia, se existem pensamentos de morte ou se tem histórico de transtorno bipolar ou suicídio na família, deve-se o quanto antes, procurar diretamente um psiquiatra.

Santaportal: Como o paciente pode ajudar no diagnóstico? O paciente de transtorno bipolar costuma, digamos, negar a si mesmo que seja aquilo? Por quê?

VC:
A melhor maneira de se ajudar e auxiliar no diagnóstico é buscar informações a respeito da doença e do tratamento, anotar as dúvidas e levar para uma conversa com o profissional que está cuidando de você. E caso não se sinta satisfeito, buscar uma segunda ou terceira opinião. A negação anda de braços dados com o medo e com a falta de conhecimento. Educação em saúde e melhorar o acesso aos profissionais é o caminho menos custoso e mais eficaz para deixar os transtornos de humor para trás.

noticia20191122816124.jpg
Reprodução/Arquivo Pessoal