Lúcia Teixeira atrai professores, jovens e familiares em eventos na Bienal do Rio


11 dias atrás
Por: Assecom e Santaportal - Em 10/09/2019 às 15:40
Lúcia Teixeira atrai professores, jovens e familiares em eventos na Bienal do Rio Divulgação

BIENAL - A psicóloga, educadora e escritora Lúcia Teixeira, ao lado de nomes de autores consagrados como Laurentino Gomes, Ana Maria Machado, Mauricio de Sousa, Pedro Bandeira e Mirian Leitão, foi destaque, nos dias 6 e 7 de setembro, da XIX Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, a maior feira literária da América Latina. Mais de 700 mil pessoas prestigiaram o evento.

A autora foi convidada para participar de dois momentos especiais da Bienal. No estande da Editora Cortez, Lúcia lançou seu livro infanto-juvenil “Caminho para Ver Estrelas”, editado em parceria com a Unisanta. Foram dois dias de autógrafos (6 e 7 de setembro). A obra teve seus exemplares esgotados, com recorde de vendas do estande.

Diversificado e grande público de jovens de todas as classes sociais, famílias e profissionais presentes na Bienal do Livro do Rio de Janeiro foram conversar com a autora sobre a história deste seu 11º livro.

Professores e psicólogos estão usando o livro para trabalhar temas como depressão, ansiedade, falta de criatividade e esperanças, entre outros abordados no livro. “Por meio dos personagens adolescentes, há o estímulo à reflexão, à expressão de sentimentos e ao aprendizado a partir dessas histórias de vidas. Fico feliz em estar atingindo um dos objetivos do livro, fazer o leitor refletir, vencer a desesperança e mudar o mundo ao seu redor. Os personagens cumprem desafios nos quais precisam usar a imaginação e a criatividade, superar o individualismo, para lidar com segurança com as frustrações da vida adulta. Coincide com o momento em que devem fazer muitas escolhas na vida.”

O livro oferece muita informação, com linguagem ágil e dinâmica, aventuras, além de questionamentos e alertas. “Em nossa sociedade de consumo há a pressão social pelo sucesso a qualquer preço, pelo corpo perfeito, o que pode gerar sentimentos de frustração com a própria vida, de não pertencimento e  desesperança, que podem se aprofundar na adolescência.  Precisamos de vínculos sociais fortes, na família, amigos e outros grupos e mostrar que há razões para viver. Construir esses caminhos para ver estrelas, todos juntos, agora.”

A psicóloga e professora do ensino médio da rede estadual do Rio de Janeiro, Juliana Xavier, se interessou pela obra por abordar assuntos tão importantes para os jovens de hoje.  “Gostei do tema, da forma como a escritora aborda a questão da depressão, da amizade. Como psicóloga, atendo muitos adolescentes e trabalho com eles nas escolas. Com o passar do tempo eles estão ficando com o ego cada vez mais fragilizado. O livro, a história, os personagens, são um caminho que eles podem ter para perceber que essas vivências, sentimentos e emoções não são só deles. Quando você percebe que há outros sentindo o mesmo que você, você se fortalece”.

Juliana diz ainda que trabalha com seus alunos e pacientes essa questão. “São pessoas que não são acostumadas a ouvir não, não têm boa tolerância para frustração, criam muitas expectativas. Eles precisam se organizar e se aceitar. Vou trabalhar essa obra com os meus alunos na rede estadual de ensino na disciplina Projeto de Vida, idealizada para ajudar os alunos na criação da identidade e fortalecer os alunos. Eu já faço esse trabalho e estou sempre buscando coisas novas”, finalizou entusiasmada.

Para alguns jovens que visitaram a Bienal, esse foi o primeiro contato que tiveram com uma escritora. Com semblantes admirados, eles conversaram muito com a autora e se empolgaram com a obra. “Gostei da parte em que você pode ouvir música enquanto lê. Gosto de ler, mas foi muito difícil escolher livros no meio de tantos. Caminho para Ver Estrelas me chamou muita atenção”, disse Ariane, de 12 anos.

“Escolhi esse livro porque temas como espaço e  viagens no tempo despertam meu interesse. O fato da jovem que, além de ter passado por depressão, luta com a própria mente para viver uma aventura”, contou William Falheiros, de 18 anos. “Também quero experimentar a playlist, uma ideia nova, nunca vi isso em um livro”, completou.

A adolescente Ana Mardini  também comprou o livro durante a Bienal. Ela foi uma das muitas jovens que mostrou seu encantamento pela obra em um post em sua rede social: “Se eu estou apaixonada? Kkk apaixonada é pouco, amei demais, livro incrível.”

Já Paola Lessa conhecia obras anteriores de Lúcia e foi ao estande com o objetivo de comprar o livro e pegar um autógrafo para filha Ana Carolina, aflita para obter a obra. “Vim especialmente para isso. Minha filha já tinha visto esse livro na internet, se interessou muito e eu corri para comprar. Fiquei preocupada em não conseguir o autógrafo, mas graças a Deus deu tempo”.

“É um momento mágico esse encontro entre o leitor e o escritor. Participo porque acredito que é também uma forma de incentivar o gosto pela leitura e por ações culturais, de resistir e não se abater. Colocar a mente e o coração das pessoas em estado de felicidade, que despertem curiosidade, sonhos e fantasia criativas. Agradeço o convite para estar em mais uma Bienal, em dois eventos tão especiais, o lançamento de meu último livro e a palestra no estande do Japão, a convite do Consulado- Geral desse país no Rio”, concluiu Lúcia Teixeira.