Divulgação Divulgação

Páscoa. Vamos RENASCER de verdade?

Páscoa, a festa cristã repleta de significado quanto a ressurreição do Cristo, a promessa da vida eterna, sobre reencarnação, dependendo dos dogmas cristãos que você acredita.

Lembrar do real motivo, e não apenas da festa de mesas fartas e troca de ovos de chocolate, é o que mais se falará ou será publicado nesses dias. E com muita razão e pertinência, pois afinal assim como nas festas de final de ano, por vezes nos esquecemos do real significado da data.

A data em seu real significado recorda a ressurreição de Jesus, ocorrida três dias depois de sua crucificação no Calvário, fato que mostrou que a vida continua em outro plano. Essa é a crença Cristã, com algumas derivações quanto reencarnação ou a vida eterna.

Mas, conceitos a parte, proponho nesse texto transcender esse simbolismo da Páscoa para algo maior: o RENASCER. O Renascer necessário dentro de cada um de nós, o recomeço, a ressureição, a reinvenção... todos sinônimos do ensaio que proponho hoje.

Quantas vezes tomamos um determinado caminho que nos parece correto, fazemos uma determinada escolha, temos uma visão própria sobre algo e seguimos em frente com nossas convicções? Muitas das vezes acionamos o piloto automático e vida que segue...

Por vezes alguns fatos, acontecimentos, imprevistos e infortúnios, nos forçam a reprogramar rotas, metas e ações. Isso ocorre em nossa vida financeira, profissional, acadêmica e até familiar. E é absolutamente normal. A adequação e reprogramação frente às adversidades as quais somos confrontados.

O mesmo ocorre em nossas crenças e religiosidade. Quando alguém se assume “cristão”, está implícito nessa escolha de que nos espelhamos e queremos nos tornar o mais próximos possíveis de Jesus e de seus ensinamentos, não é assim?

Pois bem. A pergunta para a reflexão é a seguinte: será que nós revemos ou fortalecemos nossos conceitos cristãos, frente a toda a dificuldade e mudanças na sociedade em que vivemos? Será que usamos nosso "amor cristão' para rever conceitos e pré-conceitos, sob a ótica dos novos tempos e novos acontecimentos?

Muitas vezes, é preciso coragem e sabedoria para enxergar diferente, para mudar conceitos sobre algo que nos parecia tão certo e imutável. A chamada mudança de paradigmas.

Em se aproximando a época em que se celebra a ressureição do Cristo, com todas as homenagens prestadas pelo seu legado terreno, será que estamos nos aproximando do que Ele exemplificou em sua passagem terrena? Estamos exercendo ou nos esforçando para praticar o AMOR FRATERNO UNIVERSAL? Estamos amando o próximo como a nós mesmos, mesmo que suas características, crenças ou escolhas sejam completamente diferentes ou contrárias às nossas?

"AMAR AO PRÓXIMO", como cantado em verso e prosa na maioria dos cultos religiosos, nada mais é do que RESPEITÁ-LO em sua essência e individualidade e, na medida do permitido, ajudá-lo quando possível.

Quando a ajuda não for permitida, já é um grande ATO DE AMOR não julgá-lo ou atacá-lo por sua diversidade, seja de pensamento, ideológica, política, sexual, gênero, étnica ou qualquer outra que seja.

Como já escrito aqui em alguns artigos, ninguém precisa ACEITAR o pensamento de ninguém. Basta apenas RESPEITAR.

Chico Xavier em uma de suas mais memoráveis frases disse: “Aos outros eu dou o direito de serem como são e a mim, o dever de ser cada dia melhor”.

“Amar os vossos inimigos” – frase dita por Jesus – não significa chamá-los para dividir seu almoço de páscoa ou tê-los na convivência em seu lar, mas como disse Chico, PERMITIR que sejam como são. RESPEITAR quem não nos é semelhante, já é um belo exercício de amor.

A cada um segundo suas obras. Não temos o direito de julgar ou condenar a diversidade alheia.

A lei dos homens define crimes e normas de conduta sociais a serem seguidas. E vivemos em uma sociedade onde mecanismos garantem essas definições, vigilância e condenações, em que pese as falhas que infelizmente ainda vemos em nosso judiciário ou nas execuções penais em todas as esferas... mas isso não importa.

Aos infratores e criminosos, nada mais e nada a menos que o julgamento e condenação com base na Lei. Não sejamos nós pretensos algozes e carrascos alheios, baseados muitas vezes em nossos preconceitos e intolerâncias.

Hoje em, vemos julgamentos públicos, muitas vezes em "redes sociais" contra todo tipo de diversidade e situações de dificuldade alheia. Pessoas em situação de vulnerabilidade tratadas como bandidos... LGBTs, mulheres e negros, desrespeitados em seus direitos básicos... e até mortos pelas mãos dos que se acham no direito de ser o árbitro e o executor de penas, num país onde a pena de morte não é legalmente instituída. E isso não é nem de longe o que Jesus espera de seus seguidores, dos chamados cidadãos de bem.

Portanto, nessa Páscoa, fica o convite: vamos renascer em nossa crença cristã. Vamos buscar nos espelhar Naquele que ressuscitou no dia da Páscoa. Vamos reanalisar nosso pensamento, nossas atitudes e, principalmente, nossa EMPATIA com o diverso e diferente. Vamos nos aproximar daquilo que ele ensinou vivenciando, na vida e na hora de sua morte: o amor fraterno, universal e incondicional.

O AMOR CRISTÃO não tem condicionantes... não tem mais nem menos. Ou se "AMA", ou não.

Vamos amar mais? Fica o convite ao exercício e à reflexão.

A todos uma páscoa de paz e, acima de tudo, de AMOR FRATERNO UNIVERSAL.

Até o próximo encontro.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Flavia Bianco
  • Postado em: sexta-feira, 19 abr 2019 13:31Atualizado em: sexta-feira, 19 abr 2019 13:35
Divulgação Divulgação

Dia Internacional da Mulher - Sororidade pela Igualdade

Olá amigos,

 

Hoje em especial, deixo uma reverência às mulheres (em toda sua diversidade), pelo nosso dia.

 

Dia 8 de março se comemora o Dia Internacional da Mulher, data oficializada pela ONU em 1975, e que tem alguns movimentos nos EUA e Europa, no início do século XX, apontados como sua origem. O dia 08 foi utilizado referenciando um protesto ocorrido em 1917 na Russia, onde um grupo de operárias saiu às ruas para se manifestar contra a fome e a Primeira Guerra Mundial.

 

Após uma breve pincelada sobre a história, trago para transcendermos juntos a questão da “SORORIDADE”, fundamental para os avanços e conquistas do FEMINISMO, em nível mundial.

 

Para um melhor entendimento do que é “SORORIDADE”, podemos defini-la como a união, aliança ou irmandade entre mulheres, baseada no companheirismo, ajuda mútua e empatia, na busca de objetivos comuns.     O termo é utilizado apenas para mulheres, em virtude da morfologia da palavra, derivada de “sóror”, do latim “irmã”.    No masculino temos seu equivalente signigicado na palavra “fraternidade”.

 

Entendido esse conceito, temos nele a base necessária para a luta pela igualdade de gênero, em direitos e vivência equânimes, livres dos padrões patriarcais.   Esse e o objetivo do “Feminismo” em sua essência. 

 

Muitas bobagens são ditas sobre o movimento feminista, alguns lamentavelmente engrossados por algumas mulheres, desqualificando, ofendendo e ridicularizando mulheres que lutam por essa causa.     Grande parte dessas frases são proferidas pela herança recebida da criação familiar, ainda pautada nos valores do “macho-centrismo” (neologia permitida...rsss).


Engana-se quem acha que o feminismo propõe o domínio ou supremacia das mulheres sobre homens.    A luta é simplesmente por igualdade de direitos entre todos, homens e mulheres.

 

É verdade que existem algumas militantes que são mais agressivas em seus protestos, como exposição de seus corpos e atitudes extremistas, mas com absoluta certeza, não são maioria dentro dessa luta.   O radicalismo, infelizmente está presente em todos os movimentos de nossa sociedade.  Em torcidas de futebol, partidos ou ideologias políticas, defesa dos animais, movimentos sociais por terra e moradia, mas nenhuma generalização é justa com nenhum desses segmentos.

 

Muitas ativistas trabalham em movimentos e coletivos com ações positivas, para a visibilização e discussão das demandas de uma outra forma.  

 

Eu mesma tenho a grata satisfação de ter participado, como palestrante, de alguns eventos corporativos na área de inclusão e diversidade, e nesses encontros conhecer mulheres incríveis, principalmente ligadas ao meio empresarial, que tem uma relevante luta pela diversidade de gênero e empoderamento feminino.   E essas associações, ONGs e entidades estão ganhando cada vez mais espaço.

 

É a tal sororidade lutando pela igualdade!!

 

O dia internacional da mulher não é uma data comemorativa ou comercial, mas sim uma data para ressaltar o “orgulho” em ser mulher.   “Orgulho” no sentido de fortalecer a luta para a garantia dos direitos ainda não reconhecidos.  Um dia por mais visibilidade e atenção a nossas demandas.    Portanto, é um dia para ganharmos mais do que bombons e flores... é um dia para sermos vistas... e enxergadas!

 

Em nosso país, a cada 2 horas uma mulher foi morta, simplesmente por ser “mulher” – o chamado “crime de feminicídio” – e, conforme estatísticas apresentadas pelo portal g1.com e pelo Núcleo de Estudos de Violência da Universidade de São Paulo.  

 

Temos aqui a Lei do Feminicídio e a Lei Maria da Penha de proteção às mulheres, mas mesmo assim, os números ainda são alarmantes e nem todas as mulheres sabem sobre seus direitos.

  

É contra essa violência, contra a desigualdade no mercado de trabalho e contra outras discriminações que o movimento feminista se articula, sempre em busca de visibilidade às demandas das mulheres e, principalmente, da conquista de locais de fala e escuta para esse ativismo.

 

É uma luta pelo respeito.   É uma luta por SORORIDADE.  É uma luta pela igualdade.... pelo direito de ter direitos.

 

E é isso que essa data traz para nós.  Uma reflexão do que fazemos em nosso entorno para que nós mulheres sejamos tratadas de forma justa a igualitária.

 

Felizmente, muitos homens hoje em dia estão aderindo a essa preocupação, seja em seus lares, no trânsito, no ambiente acadêmico ou profissional, mas é uma longa jornada que ainda precisamos percorrer.

 

Meu blog fala de RESPEITO e esse é o caminho.  E hoje é dia de lembrar de que ainda há muito a se conquistar, pela igualdade e respeito.

 

Dia para se levantar contra a misoginia, o sexismo e a violência contra a mulher, em especial contra o feminicídio.

 

Somos e sempre seremos mais do que se espera que sejamos. SOMOS QUEM SOMOS: MULHERES!! 

 

E somos mulheres em toda nossa diversidade.  Mulheres de todas as classes, etnias, credos, corpos, viéses políticos, orientações sexuais e identidades de gênero (biológicas ou não) e, a cada afronta ao direito ou integridade de uma de nós, todas sofrem com isso.

 

Juntas... somos mais fortes!!!

 

Que esse dia alcance seus objetivos no coração de cada uma de nós e da sociedade como um todo.

 

Grande abraço e até o próximo artigo.

 

 

Leia Mais
Divulgação Divulgação

Haters: o lado sombrio de uma sociedade


Olá pessoal.

 

Nesse artigo convido vocês a uma reflexão sobre uma síndrome gravíssima de caráter mundial.  O crescimento dos chamados “Haters” (Odiadores em uma tradução livre).

 

Que nossa sociedade sempre teve máculas de respeito com diversos segmentos dela, isso é notório e amplamente registrado ao longo da história mundial.   Mas vou me restringir ao que acontece em nosso país.

 

Durante ANOS, os negros foram oprimidos ABERTAMENTE pela sua etnia, considerada inferior desde a época da escravatura até bem pouco tempo atrás.     Um absurdo, não exclusivo do Brasil, mas que gerou (e ainda gera) extremas desigualdades sociais no trato, no viés ideológico.  E mesmo com leis que tipifiquem o RACISMO como crime, muito ainda vemos de discriminação velada, bullying e situações relativizadas onde eles continuam a ser alvo dessa prática.

 

Outros grupos, como mulheres, LGBTs, refugiados, religiões de matrizes africanas também sofrem no dia a dia com esse mesmo desrespeito, que vai de uma simples brincadeira desrespeitosa, até casos de violência e morte, por motivos que vão de simples achismos ou preconceitos pessoais, até fundamentalismo e intolerância.

 

Mas fato é que, com a chegada das redes sociais, e a suposta sensação de anonimato, os discursos de ódio tem se tornado cada vez mais feroz... não apenas na seara das minorias mencionadas mais acima, mas atingindo agora qualquer um que pense diferente de alguém ou de um grupo.    

 

No ano passado, em virtude das eleições, tivemos um aumento horrível da criação de perfis falsos de “haters”, e outros ainda o sendo em seus próprios perfis, propensos a atacar om os piores discursos de ódio as pessoas de visões políticas contrárias.  E isso foi visto nos dois lados.  Não existem um só culpado, muito menos defesa para isso.

 

Saindo da polêmica eleitoral, tivemos outros eventos em nosso país que despertaram os mais desumanos comentários que poderíamos ver em uma rede social e pública, e que por indignação me levaram a dividir com vocês esse assunto hoje.

 

A morte da vereadora carioca Marielle Franco, o atentado contra o então candidato Bolsonaro, a ruptura da barragem na cidade mineira Brumadinho,  o incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo e, por último, a morte acidental do jornalista Ricardo Boechat.

 

O que une todos esses acontecimentos???    Para boa parte da população, um sentimento de pesar e indignação, e empatia com a dor das pessoas e vítimas, independente de qualquer divergência clubística, polícia, ideológica ou do que quer que seja.

 

Mas para outra fatia de nossa sociedade, tragédias assim foram comemoradas aos fogos por alguns e compartilhadas por outros sem número.  

 

Coisas do tipo:

“Elegeu o fulano... tem que morrer como castigo” (sobre Bolsonaro ter tido maioria naquela região);

Esquerdista mimizenta, teve o que procurou....” (sobre Marielle Franco, morta em condições ainda a serem reveladas); e, mais recentemente,

Morreu por castigo de Deus, por ter criticado o Malafaia...” ou “pena que a (...) também não estava a bordo, um a menos para criticar o Bolsonaro” (sobre a morte de Ricardo Boechat, e me reservo o direito de não colocar o nome da outra jornalista, supostamente contraria ao governo).

 

Meus amigos... quando vemos declarações como essa, nos ficam as perguntas:
Quando nos perdemos enquanto sociedade?  
Onde erramos na formação de nossas crianças, atuais adultos autores de frases tão desumanas?   
Como perdemos a humanidade de não nos sensibilizarmos com a dor do outro? Para os Cristãos, diria:  a dor de nossos irmãos?

 

Vemos alguns religiosos e seus líderes proferirem discursos de ódio contra aqueles que não pensam da mesma forma ou são diferentes.   Uns participando das comemorações acima relatadas...    Cristo é amor.  Não deveria ser um exemplo a ser seguido?    Amar não é proferir discurso de ódio.

 

Cada vez mais vemos pessoas odiando, se tornando os tais “haters” contra aquilo que não concordam.   Nós por vezes não concordamos com tamanhos absurdos que vemos no dia a dia e, se não nos policiarmos, talvez contribuamos para rebater discurso de ódio com outro discurso semelhante.

 

Para tudo!!!    Precisamos pensar...  precisamos transcender.

 

A vida está tão difícil para muitos, o peso está cada vez mais pesado para muitos de nossos irmãos.   E aqueles taxados como minorias, carregam fardo maior ainda.     


Convoco aos meus amigos desse canal, de respeito e positivismo, a lutarem contra esse ódio crescente.  Não sejamos nós “haters” empoderados de nossas convicções.

 

Que nossas armas não sejam as de fogo, mas sim a nossa empatia e entendimento da diversidade e pluralidade de pensamento e da existência humana em sociedade.  E com isso quero dizer que, para o que é crime, o rigor da lei... para o que for discordância ou divergência, apenas o respeito.   Em qualquer situação.

 

Que nossa mudança de atitude seja um exemplo para nossos filhos pequenos, e que essas sementes que distribuímos hoje contribuam para um jardim mais florido no amanhã.

 

Que sejamos mais LOVERS... sempre!

 

Até a próxima.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Flavia Bianco
  • Postado em: terça-feira, 12 fev 2019 13:12Atualizado em: terça-feira, 12 fev 2019 13:15
Divulgação Divulgação

Inclusão Inclusiva


Olá amigos,

Estou de volta depois de um período de mudanças em minha vida pessoal, mas de muito trabalho, palestras e eventos sobre respeito, diversidade e inclusão.

Após minha participação no projeto do Curso On Line “LGBT+ Conceitos e Histórias”, idealizado pela Veduca.org em parceria com a SERASA EXPERIAN, tive a oportunidade de conhecer diversas iniciativas do mundo corporativo para a inclusão, não só de LGBTs, mas das chamadas minorias, as quais merecem igualmente a atenção e ações efetivas, por uma sociedade mais igualitária em todos os sentidos.

Nesse meu artigo, falarei um pouco sobre o que tenho visto nesses últimos meses, em contato mais direto com essa temática: INCLUSÃO.

Nessa semana participei do lançamento do IDIS – Instituto pela Diversidade e Inclusão no setor de Seguros, criado por iniciativa de profissionais da área de seguros para a discussão de assuntos ligados às minorias e sua inclusão no segmento.

No painel, onde tive a honra de participar como mediadora, cinco renomadas empresas do ramo securitário apresentaram suas iniciativas para contratação e valorização de profissionais da diversidade, bem como ações internas para a mudança de paradigmas quanto a conceitos arraigados há décadas, não só no ambiente empresarial, mas na sociedade como um todo.

Para um melhor entendimento e conceituação, a diversidade não se trata exclusivamente de LGBTs, mas sim de todos aqueles que são “diversos” ao padrão social/ cultural da sociedade.  Nesse sentido as ações de inclusão são voltadas a gênero, etnia, gerações, PCD, jovens de baixa renda, refugiados e LGBTs.

Nesse painel, as empresas apresentaram seus “cases” referentes à inclusão e adequações de seus quadros quanto à diversidade, e todas foram unânimes em afirmar, cada uma de sua forma, que os resultados foram extremamente positivos.


Então vamos transcender um pouco?

Incluir um profissional da chamada diversidade, deveria ser algo tão comum mas, infelizmente não é.    Poderia me ater a aspectos sociais, de empatia, de amor ao próximo... mas prefiro me ater ao velho e conhecido tema principal desse blog:  RESPEITO.

Incluir e acolher alguém no mundo corporativo por sua competência e mérito, é um sinal de inteligência empresarial.   Quando esse alguém é considerado diferente ou minoria, também o é da mesma forma.

Empresas que acolhem e incluem esses profissionais, criam um ambiente favorável para que a pessoa “seja ela mesma” e, com isso, tenha melhor desempenho.    


Um colaborador satisfeito com seu ambiente de trabalho, além da questão de performance, tende a “vestir a camisa da empresa”, o que entre outros fatores, dá um melhor feedback ao mercado, certificações, pesquisas, etc... além de pensar duas vezes antes de eventualmente trocar de emprego.

Isso não é opinião ou teoria.  São números trazidos por consultorias especializadas, nos mais diversos segmentos. Quem milita na área de recursos humanos acompanha essa tendência.

Iniciativas de inclusão de minorias, criação de grupos temáticos ou de inclusão, pilares de sustentabilidade, entre outros modelos, estão ganhando cada vez mais espaço no mercado formal de trabalho.  E tem sido fundamental nesse processo a participação de ONGs e outros institutos, responsaveis ou mediadores na parte de qualificação e, eventualmente, fazem intermediação na abertura de processos seletivos especificos.

Embora exista a política de cotas para PCDs (e que fique claro que não estou aqui questionando isso), o que se busca na verdade, por tudo que tenho visto e conversado nesse meio corporativo, não é a estigmatização das minorias por categorias, mas sim a abertura do mercado a essas pessoas, de forma que seja o MÉRITO e adequação à vaga o fator de contratação, promoção e reconhecimento, ao invés de fatores como etnia, gênero, orientação sexual, necessidades especiais ou qualquer outra característica pessoal do profissional.

Cada um de nós é muito mais do que um simples crachá e nossos limites não podem ficar restritos a “caixinhas” ou “gavetas”.   O mérito deve ser o guia para nos permitir ocupar o espaço que podemos, de acordo com nossas expectativas e qualificação.

E quando se fala em QUALIFICAÇÃO, entramos em um outro campo da INCLUSÃO:  a FORMAÇÃO.

Me permito falar agora sobre o universo em que me insiro, o das pessoas TRANS.   Como já escrevi em artigo anterior, a formação escolar e profissional de pessoa trans, em sua maioria, é comprometida no momento em que a pessoa assume sua identidade de gênero.

Pela própria pressão social e incompreensão de boa parte de nossa sociedade, crianças e jovens trans sofrem todo tipo de preconceito e discriminação, para não se falar em violência, seja por parte de suas famílias, nas vivência escolar ou na busca de um início profissional.

O abandono dos estudos, a saída ou expulsão de casa e a falta de oportunidade profissional para pessoas trans acaba sendo uma realidade para uma boa parcela dessa população.  E as estatísticas são cruéis: cerca de 90% das mulheres trans acabam trabalhando nas ruas, como profissionais do sexo, devido a exclusão social que ocorre pelos mais diversos fatores.

Isso acaba se tornando um círculo vicioso:  muitas trans não conseguem emprego no mercado de trabalho, além daqueles mais estigmatizados, por não terem formação ou qualificação, ao mesmo tempo que não tem acesso a essa formação por conta do preconceito ainda opressor em nossa sociedade, nas escolas e nas universidades, que acaba por "repelir" sua presença na maioria desses centros.

É lógico que temos exemplo de trans que conseguem quebrar essa escrita, mas são a minoria dentro da minoria.

Portanto, é preciso que se acabe com os ataques, desconhecimento e falta de respeito aos transgeneros, para que todos tenham o DIREITO CONSTITUCIONAL de ter acesso a educação, saúde e demais benefícios de qualquer outro cidadão.    E isso só será possível quando formos respeitadas em nossas identidades de gênero, estejamos com os documentos retificados ou não.  Isso é respeito... isso é humanidade... isso é amor!

Esse respeito, incondicional e irrestrito que me refiro acima, deve ser aplicado não só as pessoas transgêneras, mas também a toda e qualquer minoria inclusa no conceito de diversidade, listada mais acima, e deve começar em nossas casas, nas escolas... na formação de nossos pequenos para um novo momento.

Então é isso.   Respeito!!   Essa é a chave para a “inclusão inclusiva”.  Me permiti a redundância no título propositalmente, pois a inclusão por exigência, e não por entendimento, pode causar o fenômeno da “inclusão exclusiva”.

E tenho a grata satisfação de ver que a "inclusão inclusiva" já começou em diversos segmentos, em passos lentos, mas passos firmes rumo a um futuro mais inclusivo, mais respeitoso e mais harmônico, afinal quanto mais diversa uma sociedade (ou uma empresa), mais rica ela se torna!

Isso é fato.

Um abraço “inclusivo” a todos.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Flavia Bianco
  • Postado em: quinta-feira, 13 dez 2018 18:09Atualizado em: quinta-feira, 13 dez 2018 18:12
Divulgação Divulgação

Amor: uma regra ou um caminho?


Olá amigos... 

Estou de volta para falar de algo importante na minha vida e na vida de todos nós.   O “AMOR”.

Amar é algo divino, nos torna melhores, nos faz querer o bem, querer agradar, querer preencher com um pouquinho de nós um determinado espaço na existência de alguém.

O amor se manifesta das mais variadas formas:  numa relação de família, entre seus integrantes; no amor paternal/ maternal entre os genitores e seus filhos; entre amigos e parceiros de planos, trabalho, de vida; e na forma mais decantada, por assim dizer, entre duas pessoas que se unem pelo afeto.

Em artigo anterior, falei sobre afetividade e seu aspecto amplo que dispensa rótulos ou prefixos, no caso dos relacionamentos homo ou hétero-afetivos.   Sendo afeto, é o que basta para a construção ou experimentação de algo positivo, bom, saudável e por que não dizer, desejável.

Todos precisamos de afeto, seja ele dado por quem quer que seja... cada um na sua.

Alguns buscam esse afeto em relacionamentos amorosos, outros no convívio com amigos, outros em animaizinhos de estimação... enfim.  Cada um busca onde quiser, onde melhor lhe convir ou atingir às suas expectativas.

Me permito tratar hoje do amor entre duas pessoas.   Partindo dessa premissa, o que é então se enamorar, iniciar um relacionamento, amar alguém e querer ser amado em retribuição?

Amar nesse sentido é preencher uma lacuna dentro de si, ao mesmo tempo em que se deseja preencher esse espaço no outro.  Parceria, companhia, intimidade, reciprocidade... são alguns dos sentimentos que buscamos quando amamos.  É o que se busca e o que se quer dar.

Essa é a regra geral?  Nem sempre... as vezes as frequências e sintonias não se equalizam e talvez seja o motivo para o fracasso ou fim de um relacionamento.

Isso é ruim? Não necessariamente.   A vida é um eterno aprendizado e as vezes, como dizem, é preciso perder para ganhar.

Mas e quando essa sintonia acontece? Quando você tem a certeza de que deu um “match”, num sentido muito mais profundo do que o proposto pelo famoso aplicativo de encontros?

Aaahh.  Ai você começa a entender o significado da palavra “AMOR”.  O amor é algo acolhedor, que te dá a segurança no caminhar ao lado, de poder contar com alguém.

No filme Moulin Rouge, uma das frases mais marcantes para mim, numa tradução livre,  é a seguinte: “a melhor coisa que você aprenderá, é apenas amar e ser amado de volta”.

Esse é um sentimento indescritível de verdade... que muda vidas, conceitos e verdades.  Talvez o tal amor incondicional exemplificado por Jesus.

Quando você ama, você enxerga a outra pessoa de forma mais profunda do que talvez as outras pessoas consigam.  Não existe aquele ditado (meio politicamente incorreto... rsss) que diz “Quem ama o feio, bonito lhe parece” ?  Então... é bem por ai.

O amor verdadeiro transcende alguns conceitos, regras e padrões.  Se é amor é amor e pronto.

Não interessa se é entre pessoas mais novas e mais velhas, entre brancos e negros, entre homens e mulheres ou entre pessoas do mesmo gênero.  Se é amor... é amor.  E é e sempre será lindo aos olhos de quem consegue entender isso.

Quantas vezes vimos amores, dentro e fora dos padrões ditos “normais”, que nos encantam?
E pessoas que se amam e que conseguem, com esse amor, contagiar aos que estão em volta?

O amor é uma coisa boa e, como tal, não pode ser restrito a regras e padrões.   E esse é o ponto que quero transcender.

Qual o problema de uma mulher amar outra mulher?  Ou de um negro amar uma branca?  Ou uma muçulmana amar um pastor evangélico? 

Não há problemas nisso... apenas amor.  E se para muitos isso pode ser diferente ou “estranho”, na verdade não é.   É o amor se expressando da forma como ele é concebido... um encontro de essências.   Nada mais.

Não se trata de um “pecado”, uma “ofensa aos costumes ou crenças” muito menos uma “ameaça a família” como muitos dizem...   É apenas a união de pessoas que se amam e se afinizam e tem o direito de amar e serem felizes, mas acima de tudo... direito a ser respeitadas em suas identidades e escolhas.

Quando as pessoas olharem além de rótulos e crachás e conseguirem identificar a energia do amor apenas fluindo... quem sabe terão um olhar diferente e abrirão um leque para o entendimento maior do que significa amor.

Amor não é promiscuidade... amor não é errado...  amor não tem que seguir cartilhas...  amor precisa ser apenas AMOR.

Uma demonstração de amor, uma demonstração de carinho, para quem consegue se desarmar dessas convenções sociais “imutáveis” para muitos, é muito mais uma inspiração do que algo que incomode, incômodo esse que em algumas vezes chega a suscitar violências verbais e até físicas.

Então, para finalizar, um brinde ao AMOR, e que toda forma de AMOR, se realmente for AMOR, seja AMADA e RESPEITADA por todos.

E que o AMOR mude nosso mundo um dia... eu acredito! 

Um forte abraço a todos e que o amor esteja presente sempre em nossas vidas.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Flavia Bianco
  • Postado em: domingo, 02 set 2018 19:18Atualizado em: domingo, 02 set 2018 21:35
  • Amor   Transcendendo   Flavia Bianco   
      Página Posterior >>
Sobre
Ensaios e opiniões sobre assuntos ligados a diversidade, estilo de vida, música entre outros, em busca de transcender a visão sobre esses temas, sob a ótica de Flavia Bianco, transgênero de 43 anos, santista de nascimento, publicitária de formação e musicista de coração. Participe interagindo ou sugerindo temas pelo email: blog.transcendendo@gmail.com