REPRODUÇÃO REPRODUÇÃO

Em tempos de Covid-19, posso correr, andar e andar de bicicleta ao ar livre?

Eu me fiz esta pergunta hoje, domingo, muitas vezes. Embora a faixa de areia estivesse vazia, o calçadão e a ciclovia não refletiam o mesmo espírito do #fiqueemcasa. Então comecei a fazer pesquisas em jornais do mundo todo e todo o conteúdo abaixo vem da jornalista Gretchen Reynolds do NY Times que entrevistou virologistas, fisiologistas e outros cientistas para responder algumas questões dos que praticam corridas como rotina, p.ex. e que, para mim, fez maior sentido nas explicações oferecidas. Vou compartilhar com vocês.

A 1ª. pergunta é: - Num município, cidade que esteja com a determinação de manter fechado shoppings, lojas, academias, cinemas, etc., correr ao ar livre pode?
Resposta: Sim, a prefeitura de São Francisco, Califórnia, permite (pelo menos até hoje), porém veja os detalhes antes de escolher sair por aí. Não, nunca esqueça, não esqueça mesmo e em primeiro lugar, se isto envolver risco para outras pessoas, conhecidas ou não, a melhor coisa a fazer é #ficaemcasa. Se for correr, andar ou andar de bicicleta, mantenha 1,5mt de distância de outra pessoa, exceto se for da mesma família e morarem juntos. Quanto mais longe de outra pessoa, melhor.

2ª. pergunta: - Se alguém correndo à minha frente espirrar, tossir, cuspir, mesmo a 1,5mt de distância posso contrair o vírus?
A resposta vem do Dr. Akiko Iwasaki, professor de imunologia da Universidade Yale de Medicina. Resposta: Ninguém sabe ao certo o tempo que este vírus permanece vivo no ar, no chão, ou em postes, bancos, botões de semáforo, no tênis, ou até mesmo o tempo que o vírus demorar para se depositar no chão, a resposta é sim, muito embora um cenário deste seja pouco provável, você pode contrair o vírus sim. Inclusive o vento pode levar o vírus até você.

3ª. pergunta: O sol esteriliza as superfícies externas? A resposta vem do mesmo Dr Iwasaki.
Resposta: Dentro do laboratório em padrões controlados, o raio UV inativou o vírus. Contudo, ambientes externos com temperaturas mais quentes e com a luz do sol não se sabe nada a respeito. A resposta, até este momento é não, não há dados suficientes para se afirmar que a temperatura quente ou o sol mate o vírus que tem o nome oficial de SARS-CoV2.

4ª. pergunta: Posso beber água em bebedouros? A resposta vem de Angela Rasmussen, virologista do Centro para Infecções e Imunidade da Universidade de Columbia.
Resposta: Não se tem nenhum dado a respeito de quanto tempo o vírus permanece vivo em bebedouros, e devido a proximidade de nariz e boca para tomar a água, o ideal é não tomar água em bebedouros.

5ª. pergunta: Devo deixar meus sapatos para fora? A resposta é um grande, enorme SIM. Saskia Popescu, sênior infection-prevention epidemiologista, em HonorHealth no Arizona, disse que ninguém sabe se o vírus fica colado no tênis, mas eles carregam muita sujeira, “tranqueiras”, em geral. Deixe-os para fora.
Calma, segura a ansiedade, respira. Ainda é possível manter o corpo saudável, mesmo estando trancado em casa. Existem evidências científicas, segundo Martin Gibala, um professor de Cinesiologia e Quinesiologia na McMaster Universidade de Hamilton, Ontario, que mesmo 5 minutos diários de mini-workouts (mini-treinos) podem ser suficientes para manter a base do condicionamento físico. Subir e descer escadas por 20 segundos 3x. ao dia aumentou a capacidade respiratória em até 5%, após 6 semanas em jovens que participaram desta pesquisa recentemente. Inúmeros profissionais da área de educação física, redes de academias, estúdios de pilates, estão disponibilizando aulas gratuitas online, aproveite a oportunidade para conhecer as modalidades, os locais, os profissionais.

Está vendo? Há solução para tudo, só não há para a morte. Não está no grupo de risco? Que bom! ..., mas pense nos que estão, seu pai, seu avô, os pais de seus amigos, você nunca saberá quem será a próxima vítima deste vírus. Mantenha-se em casa, meu conselho, claro.

Fiquem bem, tenham saúde #ficaemcasa

Elisabeth Victorazzi é profissional de Educação Física, pós-graduada em fisiologia do exercício; biomecânica dos exercícios; 4º. Generation of Training Teachear – Contrology, J.H. Pilates.

 

 

  • Publicado por: Elisabeth Victorazzi
  • Postado em: segunda-feira, 30 mar 2020 10:10Atualizado em: segunda-feira, 30 mar 2020 10:11

Comentários (0)

Enviar Comentário
     
Sobre
Muito mais importante do que remediar é prevenir. Em saúde, este assunto é ainda mais importante. Aqui neste espaço você vai encontrar textos de gente que entende do assunto e promoção de uma vida saudável, no corpo e na mente.