Pixabay Pixabay

Seja próspero, faça atividade física!

Quando fazemos atividades físicas, quer seja ela um esporte individual ou coletivo, quer seja uma aula de condicionamento físico, qualquer uma das inúmeras modalidades oferecidas pelas academias, estúdios entre outros, seja numa simples caminhada ou numa maratona, a tendência do ser humano é passar de seus limites, superar as dificuldades e atingir o máximo em relação a si mesmo e muitas vezes em relação aos outros. Superação! Não vêm problemas e dificuldades à sua frente!

O que faz com que passemos de nossos limites, até mesmo das fronteiras das dores? Com toda a certeza, é a sensação de prazer, de missão cumprida, de alegria e satisfação, de poder interior, de sentir-se bem consigo mesma.

A parte mais difícil é sair do ponto zero, do sedentarismo, da zona de conforto, mas assim que sair e se identificar com uma atividade física, nunca mais irá deixar de fazer. O que causa isto? Hormônios, a liberação de hormônios durante as práticas de exercícios são os responsáveis pela saúde física, mental e espiritual. Os hormônios liberados são em geral a Endorfina, a Serotonina, a Dopamina e os dois principais a Oxitocina e a Anandamida, também conhecidos como hormônios da felicidade.

Joseph H. Pilates, já em 1945 disse uma célebre frase: “A aptidão física é o primeiro requisito da felicidade. Nossa interpretação da aptidão física é a obtenção e manutenção de um corpo uniformemente desenvolvido com uma mente sã plenamente capaz de, natural e facilmente, realizar satisfatoriamente as nossas muitas e variadas tarefas diárias com entusiasmo espontâneo e prazeroso.’’

Algumas atividades físicas, como o pilates, p.ex., liberam, ainda, um hormônio chamado estâmina ou estamina. É o termo dado ao que também é chamado de resistência, força e vigor, seja de um ser humano ou animal. A estâmina pode representar tanto a vitalidade e resistência física, como também a mental. Graças a estâmina, os seres humanos e animais conseguem energia e vitalidade para exercer atividades anaeróbicas e aeróbicas por longos períodos de tempo (https://www.significados.com.br/estamina/).

Como atividade física nos ajuda a prosperar? Porque com todos estes hormônios, e toda a oxigenação do cérebro processado nestes períodos de atividade física, altera o comportamento físico e mental para superar os problemas sem ver tantas dificuldades.

Quem pratica sente que a vida ficou mais leve, os problemas existem mais podem ser resolvidos sob vários ângulos e sem tanto stress, enfatizam a importância do lazer, o relógio interno sente que tem mais que 24 horas de disposição e resistência, dá conta de tudo com positividade e coragem, com foco em fazer o bem pelo bem. Não é só a meditação que trás este benefício. A meditação, o mindfulness, se consegue até mesmo lutando boxe, dançando ou nadando, a meditação é quando você está focado, concentrado no que está fazendo, é estar vivendo o momento presente. Ser uma pessoa “Zen”, não está só na prática de yoga e tai chi chuan, está dentro de escolhas simples, basta começar, se empurre do sofá e vá ver a vida prosperar.

Alguns vão ler, rir e dizer que tomar uma taça de vinho, comer chocolate também traz prazer e é bem melhor que suar a camisa! Mesmo sendo verdade dentro dos padrões das pesquisas, ainda assim não trazem um corpo mais sadio, resistente, flexível, forte e vigoroso. Deixe este hábito da comida e da bebida para curtir bons momentos com pessoas queridas, mas não como remédio para curar qualquer coisa que seja, até porque são altamente calóricos.

Falando em remédio, quanto se gasta na farmácia para repor hormônios, suplementos de proteína, de colágeno, para aumentar o prazer? Existe remédio e suplemento para tudo, e cada um deles custa bem mais do que um mês na academia, ou numa aula de pilates ou natação, sem falar nas inúmeras atividades que nem precisa gastar nada e estão 24 horas à disposição gratuitamente.

Cuide de você, faça atividade física, prospere e sinta-se feliz por ser quem você é!

Não se esqueçam: se forem mulheres, de fazer o autoexame da mama, ou fazer seus exames anuais de prevenção, estamos no Outubro Rosa.

blog20191021352805.jpg

 

 

Leia Mais
Pixabay Pixabay

Natação para bebês: é bom?

Continuando nossa conversa com as mamães de bebês, vou falar um pouco sobre “Natação para bebês”.

Acredito que a natação seja uma das únicas atividades físicas que um bebê possa fazer, e o bebê pode começar a fazer desde os três meses, que é quando ele já consegue sustentar a cabecinha, segundo alguns professores e médicos especializados.

Há uma outra vertente que acredita ser melhor após os seis meses, que é quando o bebê já está com todas as vacinas importantes tomadas. De qualquer forma, a natação para bebês traz inúmeros benefícios para eles e, também, para os papais.

O bebê fica totalmente à vontade dentro da água. É um mundo conhecido por ele, afinal ficou nove meses dentro de uma água quentinha e, por esta razão, a piscina para a prática de natação para bebês tem que ser aquecida adequadamente para parecer o líquido amniótico, entre 32o. a 37oC. e limpíssima. Sempre e em qualquer circunstância tem que ser feita junto dos pais. Este contato traz benefícios para os bebês e para os papais. Trata-se da criança se sentir segura.

Os papais vão aprender como apoiar corretamente o bebê desde o primeiro dia na piscina de acordo com sua idade até ele estar com 2 ou 3 anos. Os papais precisam estar confiantes em como se posicionar e não passar traumas ou inseguranças para o bebê. Neste contato, os papais vão sentir se o bebê está tranquilo ou nervoso, seguro ou com medo, é com as mãos que os papais vão aprendendo a entender seu bebê, a entender quando seu filhinho esta pronto para fazer a imersão, a flutuação e todas as atividades e brincadeiras propostas. Além disto, este contato entre mãos, olhos, e todas as outras formas sensoriais serão para sempre um contato entre eles.

A natação para os bebês não tem a pretensão de ensina-los a nadar e, sim, de ensinar a ter consciência corporal. Favorece a formação de modificações nervosas com a estimulação motora e sensorial dos exercícios desenvolvidos na água, onde com os estímulos do aprendizado, as ramificações dos neurônios crescem, unem-se a outros neurônios aumentando o número de sinapses (conexão por onde passam informações), formando assim uma boa capacidade de memorização. Nessas adaptações de estímulo e resposta, a criança expande seu acervo sensório motor, mais adaptativo e mais inteligente, de maneira agradável e motivadora.

Outros benefícios da natação para bebês é a melhora da coordenação motora, proporcionando noções de espaço e tempo, prepara a criança psicológica e neurologicamente para o auto salvamento, aumenta o condicionamento cardiorrespiratório, estimula o apetite e tranquiliza o sono.

É uma atividade que desenvolve a inteligência emocional de relacionamento, pois as aulas são em grupo e isto permite a socialização entre eles.

Outro detalhe importante é, se for possível, colocar o bebê na natação antes de 1 ano de idade, pois até esta fase ele ainda preserva seu instinto de não respirar dentro da água, a apneia, eles instintivamente fecham a boca, bloqueiam a respiração e se movem naturalmente, batendo os bracinhos e as perninhas, é um momento de prazer, de alegria. Será muito mais fácil iniciar nesta fase, mas tudo bem se for depois, a água é sempre prazerosa e transmissora de muitas energias gostosas.

Além disto, uma aula desta é uma explosão de fofura!

blog201910143938696.jpg

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Elisabeth Victorazzi
  • Postado em: segunda-feira, 14 out 2019 09:38Atualizado em: segunda-feira, 14 out 2019 09:43
  • Natação   bebês   benefícios   
Pixabay Pixabay

Não tenha pressa de fazer seu bebê andar, tudo tem seu tempo certo!

Hoje a conversa é com as mamães, principalmente as mamães de primeira viagem, que sempre são mais cuidadosas, têm mais medo de errar e acabam superprotegendo seu bebê. É normal, todas nós, que somos mães, já passamos por isto. Fique tranquila!

Há tantas comparações entre os filhos, principalmente da mesma família, não é? Nas conversas ouvimos: - O meu começou a andar tinha só 10 meses, a o meu antes até, e assim vai, e o seu que ainda se arrasta pelo chão aos 9 meses, será que tem algum problema? Já fez 1 ano e ainda não anda sozinho? Tudo bem, se você faz acompanhamento de seu bebê com o pediatra e ele está crescendo normalmente e com saúde, não há com que se preocupar, tudo tem seu tempo certo, não force ele a ficar em pé. Isto é igual a fazer uma árvore crescer torta!

Atenção, não se apresse, não use andadores a menos que você queira que seu filho tenha pernas tortas (sabe daquele tipo que perdeu o cavalo?), e também evite aquele suporte de bebê que se coloca na frente do corpo como uma mochila, o tipo canguru, a consequência de usar os dois é basicamente o mesmo, como explica o pediatra Marcelo Reibscheid, do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim (SP): - no canguru, as pernas da criança ficam soltas, o que pode gerar lesões no eixo do quadril, uma vez que a cabeça do fêmur não fica bem encaixada", explica. Como todo o peso fica apoiado no eixo genital, pode haver também lesões no períneo. Além disso, a coluna não fica tão alinhada.

O que você pode e deve fazer com seu bebê desde que ele nasce? Estimular seus movimentos, estimular o desenvolvimento de sua coluna, de seus neurotransmissores. Como? Deixe-o de bruços várias vezes ao dia. Comece com pouco tempo e sempre monitorando, pois se ele não conseguir virar a cabecinha toda para o outro lado, você precisa estar atenta para ajuda-lo. Na medida em que ele faz 1 mês, 2 meses, vá aumentando o tempo e a quantidade de vezes ao dia, esta posição, faz com que ele tenha um desenvolvimento sadio da coluna e dos neurônios, será uma criança mais inteligente e mais ativa. Se puder ainda estimule o bebê, fazendo uma massagem levinha na espinha do bebê enquanto ele estiver deitado de barriguinha para baixo. Esta dica foi do pediatra dos meus filhos e garanto, deu certo! Eu seguia à risca os conselhos dele e tampava o ouvido para todos os conselhos de chás milagrosos, receitas de sucesso de avós, tios, vizinhas, etc., etc., etc.

Na medida que ele for ficando maior, deixe ele descalço, deixe ele sentir o chão, ou um tatame, ou tapete, deixe ele tentar se arrastar, tudo isto faz parte do processo de andar, de observar, de experimentar diferentes sentidos, cores, temperaturas, texturas, e a coluna estará se preparando da maneira correta para ele ficar na posição de quatro apoios, engatinhar. Dá um trabalho danado, mas vai valer a pena! Motive ele a ir buscar um brinquedinho, faça exercícios nele, existem alguns simples, e eles adoram, principalmente quando se canta junto. Não fique preocupada do chão estar 100% limpo e higienizado, ele também precisa adquirir anticorpos, ele também precisa de Vitamina “S”, com certeza alguém já brincou com você sobre isto, não é?

Depois o seu bebê irá começar a sentar, a engatinhar de marcha ré, às vezes engatinha de lado, de bumbum, calma, ele está no caminho certo, daqui a pouco ele se apoiará no sofá, na cadeira, em você e num passe de mágica sairá andando que nem um robozinho e sorrindo todo feliz pela conquista!

O melhor de todo este processo de desenvolvimento natural, é que ele não terá problemas ortopédicos a serem corrigidos, ele terá menos lesões durante seu crescimento e será muito inteligente. Acredite, confie e siga em frente porque dá certo!

Quer saber mais sobre alguns exercícios e atividades recreativas para bebê? Deixe seu recado que posso entrar mais neste assunto. Uma de minhas especializações foi em natação para bebês. Atualmente não dou mais estas aulas, mas será com muito prazer que posso passar tudo que aprendi na prática.

Um grande abraço para todas as mamães e aproveitem que a primavera está chegando e deixe seu bebê com roupas confortáveis.

blog20199231431136.jpg

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Elisabeth Victorazzi
  • Postado em: segunda-feira, 23 set 2019 08:15
  • Bebê   andar   tempo certo   
Pixabay Pixabay

Setembro Amarelo – mês de prevenção do suicídio

Estamos chegando ao final do ano, e é sabido que no período de Natal e Ano Novo é onde as estatísticas de números de suicídio aumentam. Por isto setembro foi escolhido para chamar a atenção e conscientizar da gravidade deste tema afim de prevenir e diminuir estes números.

Sabemos, também, que fazer atividade física ajuda na prevenção e combate à depressão, fazendo parte do tratamento destes transtornos mentais, que são uma doença como qualquer outra que necessita remédios e atividades que ajudam a liberar os hormônios da alegria. Tudo junto leva as pessoas no quadro de depressão a melhorar, mas existe algo que é muito importante, talvez o mais importante, e esta que lhes escreve, pode dizer com conhecimento de causa, pois me trato da depressão há um ano e ainda faço uso de medicamentos, precisamos ter a mão de amigos, familiares, que nos segura para não cair no abismo.

Sou uma profissional da área de atividades físicas e bem-estar, tenho saúde perfeita, um corpo perfeito, sem traumas ou sequelas, uma linda família, uma profissional de sucesso, projetos maravilhosos em andamento, e por que estou neste quadro? Não sei... algo se desligou dentro de mim, um vazio se abriu e após pensar em várias maneiras de parar de viver por achar que já era o suficiente eu resolvi procurar ajuda, comecei a falar sobre isto com meu filho e um dos meus melhores amigos, fui a um psiquiatra e a fazer terapia.

Durante este processo, fui tomando mais coragem e falando para outras pessoas, meus alunos, até em uma postagem de mídia social, e aí veio muitas opiniões, conselhos, uns falaram que era “frescura”, que o que precisava era tirar umas férias, outros aconselharam a parar de tomar remédios, ter fé, seguir em frente, focar em ganhar dinheiro para curtir a vida, meditar, e outras tantas coisas e, claro, os que apoiam continuar a tratar como uma doença, com remédios, terapias, porque sabem que se trata de uma doença. Acredite, não é frescura, é doença. Portanto, siga o tratamento médico à risca.

Voltando ao foco inicial, o que me ajudou muito, que foi fundamental e que me determinou decidir continuar a viver um dia de cada vez e mais atenta a mim mesma, além do tratamento médico, foram as pessoas que ficaram ao meu lado, que me “empurravam” (literalmente) para frente, e para ser sincera, ainda empurram muitas vezes.

Se você não está passando por isto, seja esta pessoa que segura na mão de quem precisa desta atenção (mas vai ter que empurrar para fora da cama à força praticamente), leve a(o) para a academia, para andar, para viajar, para tomar café, não desgrude desta pessoa, mostre o quanto ela(e) é importante, aguente firme até que o tratamento comece a ter efeito, que os sentimentos de auto confiança e auto estima retornem.

Se você está como eu, em depressão e perdida, sem vergonha nenhuma, porque agora entendo que não é fraqueza e sim doença, digo e escrevo em linhas negras e fortes: - Eu estou aqui porque tive e tenho pessoas que estão o tempo todo me lembrando quem sou, me deixando ativa e aconchegada. Durante o tratamento passamos por momentos de altos e baixos. Quando estiver nos momentos baixos, não sinta vergonha de falar e pedir ajuda de quem você quer que esteja junto de você, quem você acha que pode te ajudar pelo simples fato de ouvir. Até achar alguém para nos ouvir sem julgar já é uma benção neste processo todo.

Não somos os únicos, nem o primeiro e nem o último, num mundo onde cada vez mais as pessoas se sentem sozinhas a depressão está se tornando a doença que causa o maior número de afastamentos do trabalho e se não entendermos isto, ou ajudar a quem precisa a sair disto, o número de suicídios só vai aumentar. Não vamos deixar, não é mesmo?

Eu me coloco inteira, de corpo e alma, para quem precisa trocar ideias sobre isto, quem quer um ombro e ouvido amigo para falar o que quiser. Não é loucura, é doença. Não é frescura, precisa ser cuidado como um câncer o seria.

Fiquem bem, fiquem em paz, procurem a vida, compartilhe a vida com quem ama, olhe para dentro das pessoas, sorria de verdade. Abrace mais, abrace forte e sinta o coração do outro vibrar. O abraço é intenso, é poderoso. Comemore a vida todos os dias ao acordar.

blog20199164218816.jpg

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Elisabeth Victorazzi
  • Postado em: segunda-feira, 16 set 2019 08:42Atualizado em: segunda-feira, 16 set 2019 08:43
Pixabay Pixabay

Qual a diferença entre artrite e artrose e como a prática de exercícios pode ajudar

Embora ambas tenham comprometimento das articulações, elas são patologias muito diferentes. Se você recebeu um diagnóstico com uma delas, além de procurar um reumatologista, faça atividade física adequada para prevenir ou retardar o avanço das mesmas.

A artrite pode ter uma natureza genética, ou seja, passa de geração para geração da mesma família. A artrite ataca a membrana sinovial, que é o tecido que envolve as articulações e é responsável pela produção do líquido sinovial, responsável por lubrificar as juntas.

Quando este tecido é atacado por anticorpos a membra aumenta de volume, e assim inchada ela inflama e aquece a região. Se isto aumentar ou demorar muito para ser tratado, a quantidade de vasos sanguíneos aumentará e produzirá muito líquido (a gota) e entrará nas cavidades articulares, justamente onde estão as cartilagens. Neste líquido sinovial produzido pela inflamação existem enzimas que atacam as cartilagens. Portanto, se este quadro evolutivo da artrite demorar a ser diagnosticado e tratado, as cartilagens serão atingidas.

Já a artrose é o desgaste das cartilagens. Se tem uma articulação, tem cartilagem. Podemos dizer que a cartilagem é o “colchão de mola” entre dois ou mais ossos. A artrose ocorre pelo processo natural de envelhecimento, por volta dos 40 anos, ou por um trauma na região (lesão), sendo que a má postura também é uma das causas que levam à artrose. Quando estas cartilagens vão perdendo sua capacidade de suportar as cargas, elas vão sofrendo fissuras, ficam soltas nas articulações e geram um processo inflamatório.

Ambas causam dores nas articulações, a artrose principalmente nas mãos, joelhos, quadril e coluna e a artrite nos ombros, mãos, pés, cotovelo e joelho. A artrite deixa a região inchada e quente e a artrose é acompanhada da limitação dos movimentos pela perda da força muscular.

Sabendo disto, é possível prevenir ou retardar a presença destas duas patologias através de exercícios físicos que fortaleçam os músculos e os ligamentos, principalmente.

É fácil de saber se existem casos de artrites na família e o desgaste de envelhecimento é conhecido, o que tem a fazer é começar antes dos sintomas aparecerem. Cuidado, a atividade física ideal para ambos os casos é sem cargas excessivas e de impacto moderado para alto. Carga = peso (evite), impacto tem a ver com torque, e se sua atividade física não proporcionar impacto, seus ossos não serão fortes.

A atividade mais recomendada para estes casos é o pilates, treinamento de força resistida, calistenia, entre outros que desenvolvam a resistência e flexibilidade do corpo, sempre com profissionais altamente qualificados. Isto não quer dizer que não possa praticar as atividades que mais gostem, como futebol, tênis, surfar, etc., quer dizer que para continuar a faze-las com saúde e sem lesões há de se fortalecer os músculos e ligamentos antes ou paralelamente a estas atividades.

Para quem já está diante deste diagnostico, a prática mais assertiva é o pilates. Faça sem moderação, todos os dias se possível, mas se não der faça pelo menos duas vezes na semana.

Caminhar resolve? Infelizmente, não, mas caminhe, porque é bom para o coração, é bom para a vida, caminhe ao ar livre, beba muita água e seja bem feliz com saúde!

blog2019994645269.jpg

 

 

Leia Mais
      Página Posterior >>
Sobre
Muito mais importante do que remediar é prevenir. Em saúde, este assunto é ainda mais importante. Aqui neste espaço você vai encontrar textos de gente que entende do assunto e promoção de uma vida saudável, no corpo e na mente.