Divulgação Divulgação

10 fatos sobre Alice no País das Maravilhas e seu autor Lewis Carroll…

‘Alice no País das Maravilhas’ é um dos maiores clássicos da literatura juvenil e um assombro de narrativa. Mas é importante conhecer melhor o trabalho e a vida de seu autor, um homem cuja imagem enfrenta até hoje muita polêmica. Conheça 10 curiosidades sobre Alice e seu autor:

O livro foi escrito em 1865 e a primeira adaptação para o cinema aconteceu 38 anos depois, em 1903, ainda nos primórdios da sétima arte.

A heroína da história, Alice, foi inspirada em uma garota real. O autor, Lewis Carroll, era amigo do pai da verdadeira Alice (cujo nome completo era Alice Liddell) e desde que a garota era pequena desenvolveu uma forte amizade por ela. Ele criou a história da garota que viaja ao mundo da fantasia para dar de presente a ela.

Sobre a versão clássica da história para o cinema, o desenho de 1951: a produção demorou cinco anos para ser completada e todo o desenvolvimento da história levou mais de 10 anos para ser concluído. Apesar de todo o esforço de Walt Disney, que supervisionou pessoalmente o trabalho, o filme foi um fracasso de bilheteria em seu lançamento.

Uma das primeiras versões do roteiro de Alice no País das Maravilhas para o cinema foi escrita pelo autor Aldous Huxley, famoso em todo o mundo por seus romances de ficção científica, especialmente ‘Admirável Mundo Novo’. Huxley se aproximou de Disney para este projeto porque sua mãe havia sido, em um passado remoto, uma das garotas escolhidas por Lewis Carroll para seus trabalhos fotográficos (você lê mais sobre o assunto mais adiante).

Lewis e Alice
O autor de Alice no País das Maravilhas, Lewis Carroll, tinha um hobbie bem diferente. Ele gostava de fotografar crianças (apenas meninas) nuas. Com autorização dos pais.

A amizade de Carroll com Alice começou quando a menina tinha apenas três anos. Carroll escrevia longas cartas para a menina e, em um passeio de barco com ela e as irmãs, inventou a história de Alice. Ele a transformou em livro para dar de presente à própria Alice. A relação de amizade entre os dois chegou a tal ponto que a mãe de Alice, a sra. Liddell, queimou as cartas de Carroll e tentou impedir que os dois se vissem.

blog20195234858975.png

Não adiantou muito. Uma foto de Alice Liddell aos 17 anos, feita por Lewis Carroll, mostra que a dupla continuou a se encontrar mesmo depois da oposição da mãe. Até hoje não se sabe que tipo de relação existia entre a dupla. Alguns biógrafos acreditam, sim, em pedofilia. Outros negam.

A rainha Vitória, que governava a Inglaterra na época, se apaixonou pelo livro e conheceu pessoalmente o autor Lewis Carroll e também a menina Alice, que havia inspirado a obra. Alice e o filho da rainha, o príncipe Leopoldo, ficaram muito amigos e, sugerem alguns historiadores, teriam se apaixonado. Eles acabaram se casando com outras pessoas, mas um fato denuncia que algo permaneceu: o filho de Alice se chamava Leopoldo e a filha de Leopoldo foi batizada como… adivinhe… Alice!

Além de escritor, Lewis Carroll era matemático e foi um aluno tão brilhante que a universidade onde ele se formou (a prestigiada Oxford) o convidou, logo após a formatura, para se tornar professor. Ele também era poeta, desenhista e um reverendo da igreja anglicana.

Alice Liddel viveu até os 82 anos e dedicou boa parte de sua vida à divulgação dos livros que ela própria havia inspirado. Ela se casou com Reginald Hargreaves, com quem teve três filhos. Lewis Carroll não estava presente em seu casamento mas enviou um presente mais tarde. Ela morreu em 1934, época em que Walt Disney já estava interessado na adaptação da obra para o cinema.

 

 

  • Publicado por: Gustavo Klein
  • Postado em: quinta-feira, 23 mai 2019 15:47Atualizado em: quinta-feira, 23 mai 2019 15:50

Comentários (0)

Enviar Comentário
     
Sobre
Cinema, música, literatura, séries de tevê e muito mais. As últimas notícias. Entrevistas com quem faz cultura. As resenhas dos filmes em cartaz e das séries do momento. Os livros mais legais. Tudo isso e muito mais você encontra aqui, no Santa Cultura!