Divulgação Divulgação

Djavan, de futebolista a músico mundialmente famoso

"Há mais mistérios entre o céu e a terra do que a vã filosofia dos homens possa imaginar." (William Shakespeare)

E, para a nossa sorte, muitos desses mistérios resultam em maravilhas que encantam e tornam a vida melhor para milhões de pessoas.

Sem medo de errar, digo que a história de Djavan Caetano Viana é uma dessas gratas surpresas que o destino reservou para ele e, ainda melhor, para nós, que temos o privilégio de desfrutar de suas músicas. Filho de uma mulher negra, lavadeira, e de um homem branco, vendedor ambulante, Djavan nasceu em Maceió, capital de Alagoas, em 27 de janeiro de 1949. Desde pequenino, acompanhava a mãe durante o trabalho e a ouvia cantar canções do rádio. O gosto pela música foi surgindo aos poucos e cresceu ainda mais quando passou a frequentar a casa de um colega de colégio, onde havia um aparelho de som.

Entretanto, como todo garoto que viu o Brasil ser campeão mundial em 1958 e bicampeão em 1962, aos 13 anos, Djavan optou por ser jogador de futebol. E não se saiu mal: chegou a ser meio-campista do CSA. Porém, a vida lhe reservava outros caminhos.

Em 1972, aos 23 anos, largou o esporte e seguiu para o Rio de Janeiro, com a finalidade de ser cantor. Trabalhou em casas noturnas, até que um radialista conterrâneo apresentou-o ao presidente de uma gravadora. Pronto: estava aberto o caminho. Com voz incomum, gravou trilhas sonoras de novelas de compositores consagrados, como Jorge Amado e Dorival Caymmi (“Alegre Menina”) e Toquinho e Vinícius (“Calmaria e Vendaval”).

Em três anos, nas horas de folga, compôs mais de 60 músicas. Uma dessas canções, “Fato Consumado”, conquistou o 2º lugar no Festival Abertura, da Rede Globo. E surgiu, em 1976, o seu primeiro LP: “A Voz, o Violão, a Música de Djavan”, que, além da música do festival, trazia também: "Flor de Lis", “Maria das Mercedes", "Embola Bola", "Para-Raio", "E Que Deus Ajude" ... Como um relâmpago, Djavan atingiu corações e mentes em todo o país.

Os sucessos vieram a galope: "Seduzir", "Lilás", "Pétala", "Se…", "Nem Um Dia", "Eu te Devoro", "Açaí", "Segredo", "A Ilha", "Faltando um Pedaço", "Oceano", "Esquinas", "Samurai", "Boa Noite" e "Acelerou", “Álibi”, “Cara de Índio”... Entre o LP de 1976 e “Vidas para Contar”, de 2015, Djavan lançou 27 álbuns e, com toda a sua aparente timidez, há mais de 40 anos lota e domina plateias em estádios, teatros, ginásios, em qualquer local que se apresentar.

Grato mistério!

*Marco Damy é jornalista e músico.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Marco Damy
  • Postado em: segunda-feira, 27 ago 2018 18:49
Divulgação Divulgação

Sá e Guarabyra: quase meio século de parceria

No início, era cada um por si. Em 1967, aos 20 anos, Guttemberg Nery Guarabyra Filho, com o Grupo Manifesto, conquistou o 1º lugar no Festival Internacional da Canção com a música "Margarida". Um ano antes, Luiz Carlos Pereira de Sá, de 21 anos, ganhava destaque com a canção “Giramundo”, gravada por Pery Ribeiro & Milton Banana Trio.

Em 1971, Sá e Guarabyra se uniram ao músico José Rodrigues Trindade, o Zé Rodrix, que, aos 24 anos, era ex-integrante do grupo Som Imaginário e que naquele ano venceu o Festival da Canção de Juiz de Fora com a canção "Casa no Campo”, em parceria com Tavito, acompanhado no palco por Sá e Guarabyra.

A união de Sá, Rodrix e Guarabyra resultou na criação do “Rock Rural” e no lançamento dos álbuns “Passado, Presente & Futuro” (1972) e “Terra” (1973). Em 1973, Zé Rodrix segui carreira solo e, a partir dos anos 80, dedicou-se mais às atividades como publicitário, apesar de, em 1983, integrar o grupo Joelho de Porco, com o qual gravou LP e participou do Festival dos Festivais, em 1985, ganhando o prêmio de melhor letra pela música "A Última Voz do Brasil".

Sá e Guarabyra permaneceram unidos, compondo e gravando canções de sucesso nacional e internacional, como “Caçador de Mim”, “Dona”, “Espanhola”, “Verdades e Mentiras”, “Sobradinho”, “Sete Marias”, “Roque Santeiro”, dentre outras. Ao todo, a dupla lançou 12 álbuns: “Nunca” (1974); “Cadernos de Viagem” (1975); “Pirão de Peixe com Pimenta” (1977); “Quatro” (1979); “Dez anos juntos” (1982); “Paraíso Agora” (1984); “Harmonia” (1986); “Cartas, Canções e Palavras” (1988); “Vamos Por Aí” (1990); “Sá & Guarabyra” (1994); Rio-Bahia (1997) e “Orquestra Sinfônica de Americana ao Vivo” (1999).

Em 2001, Sá, Rodrix e Guarabyra se reuniram para gravar o DVD "Outra Vez na Estrada" e lançar o CD “Outra Vez na Estrada - Ao Vivo”. Em 2009, gravaram o álbum "Amanhã". Naquele mesmo ano, no dia 22 de maio, aos 61 anos, Zé Rodrix morreu.

Em 2015, Sá e Guarabyra lançaram "Songbook", em formato livro, reunindo 35 canções e em "CD", com 14 canções. E seguem na estrada, com shows por todo o país.

Marco Damy é jornalista e músico.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Marco Damy
  • Postado em: segunda-feira, 20 ago 2018 14:50
Divulgação Divulgação

Tsubasa Imamura faz sucesso cantando em português

Tsubasa Imamura nasceu em 1986 em Kanazawa, tradicional cidade japonesa, capital da província de Ishikawa. Desde a infância, ela mostrou aptidão para as artes, especialmente a Música. Aos 13 anos venceu como compositora o concurso Sony Disk and Tape, no Japão. Porém, a sua atenção estava voltada principalmente às canções compostas em um país longínquo, situado a mais de 20 mil km de distância. E foi assim que a jovem jaonesa começou, a princípio, a entoar músicas da Bossa Nova para, finalmente, ampliar ainda mais o seu público cantando MPB e rock brasileiro.

Sua voz suave e melodiosa conquistou a simpatia dos brasileiros e, ao longo de oito anos, Tsubasa Imamura realizou apresentações em mais de 40 cidades brasileiras e em emissoras de TV aberta do país.

O seu primeiro CD, “Ame no Yoru ni”, foi lançado em 2009, com produção do brasileiro Robert Regonati e participações dos músicos americanos Kim Deschamps, Rob Hooper e Scrappy Jud Newcomb, além do baixista brasileiro Vinícius Cola. Em 2012, lançou “How to Fly”, também produzido por Robert Regonati, coletânea de sucessos do pop japonês, com letras traduzidas para o português. Em 2015, Tsubasa Imamura lançou “Por Você”, o seu primeiro trabalho exclusivo para o Brasil.

Com o seu trabalho em português, interpretando canções como “Maluco Beleza” (Raul Seixas), “Pais e Filhos” (Legião Urbana), “Chão de Giz” (Zé Ramalho), “Pra Ser Sincero” (Engenheiros do Havaí), dentre outras, a bela cantora japonesa conquistou mais de 193 mil fãs brasileiros no Facebook e mais de 122 mil no seu canal oficial do YouTube, além de elogios pessoais e citações na internet de Sandy, Lucinha Araújo (mãe de Cazuza), Scarlet Vaquer Seixas (filha de Raul Seixas), Humberto Gessinger (Engenheiros), Paula Toller, Pitty, Skank, Chico César, etc.

“Mas, o que mais me emocionou foi o Zé Ramalho, que já postou três vezes as nossas versões na internet”, relatou Tsubasa Imamura em entrevista à BBC Brasil (vídeo disponível no YouTube).

Para quem ainda não conhece o trabalho dessa cantora e compositora japonesa, vale a pena conferir a sua página oficial: http://www.tsubasaimamura.com/

?????(Arigato), Tsubasa Imamura.

*Marco Damy é jornalista e músico.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Marco Damy
  • Postado em: segunda-feira, 13 ago 2018 16:52
Divulgação Divulgação

Septuagenários, mas ainda mandando ver

Para a OMS – Organização Mundial da Saúde, idoso é todo indivíduo com 60 anos ou mais. Para o dicionário, velhice é o “estado ou condição de velho”, “idade avançada, que se segue à idade madura”. Entretanto, para a Música, nenhuma dessas definições parece coerente com a realidade.

Prova disso é a disposição e o empenho demonstrados pelos septuagenários integrantes da banda The Rolling Stones que, enquanto realizam shows pela Europa, anunciam o lançamento do álbum “'Confessin' the blues'”, para o dia nove de novembro. Mick Jagger (75 anos), Keith Richards (74), Charlie Watts (77) e Ronnie Wood (71) continuam arrastando multidões de fãs (a maioria jovens) para seus espetáculos.

Show à parte vem dando o ex-Beatle Paul McCartney, 76 anos, com suas aparições repentinas e apresentações em pubs e no histórico Cavern Club. Recentemente, Paul atravessou a faixa de pedestre mais famosa do mundo, na Abbey Road, em Londres, aquela mesma em que ele, John Lennon, George Harrison e Ringo Starr cruzaram no dia oito de agosto de 1969. Paul também prepara o lançamento de um novo álbum, "Egypt Station”, o 17º da sua carreira. Para completar a nossa festa da Independência, o disco será lançado no dia sete de setembro.

Como se não bastasse, ainda surge o decano Anthony Dominick Benedetto, mundialmente conhecido como Tony Bennett, que do alto dos seus 92 anos, completados no último dia três de agosto, anuncia para o dia 14 de setembro o lançamento do álbum “Love Is Here To Stay”, desta vez em dueto com a jovem cantora Diana Krall.

Pois é: Roberto Carlos (77 anos) e Erasmo Carlos (77), Ângela Maria (89) e Bibi Ferreira (96 anos) são alguns dos nossos exemplos de que fazer o que se gosta, além de agradar ao público, também pode prolongar a própria vida. Em palcos do Brasil e do exterior, Bibi Ferreira realizou em 2017, aos 95 anos, a sua turnê de despedida com o espetáculo “Bibi - Por Toda Minha Vida”, só com músicas brasileiras.

Vida longa aos bons músicos e artistas!

Marco Damy é jornalista e músico.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Marco Damy
  • Postado em: domingo, 05 ago 2018 16:02
Divulgação Divulgação

As mamães, os papais e o sonho californiano

No início dos anos 60, quatro jovens cantores se reuniram para levar adiante um audacioso projeto: cantar num tom tão elevado, como se as suas vozes viessem das nuvens, criando a “5ª voz”. A ideia era de John Phillips, o mais velho do grupo, que reunia alguma experiência de bandas anteriores.

Em 1962, aos 27 anos de idade, ele separou-se de sua primeira esposa e casou-se com sua colega, Michelle, de 18 anos. Aos dois juntaram-se a cantora Cass Eliot e o cantor e instrumentista canadense Dennis Doherty e, em 1965, os quatro iniciaram as apresentações (muitas vezes gratuitamente), conquistando rapidamente o interesse do público.

Precisavam de um nome para o grupo, e a ideia veio quando as duas jovens assistiam pela TV entrevista de motociclistas Hell’s Angels, que chamavam as mulheres de “mamas” e os homens de “papas”. Pronto: The Mamas and The Papas. Estava batizado um dos mais famosos grupos vocais do planeta.

O primeiro álbum, “If You Can Believe Your Eyes and Ears” (“Se você pode acreditar em seus olhos e ouvidos”) foi lançado em 1966 e o sucesso mundial foi imediato. Desse álbum, duas canções ultrapassaram época e ainda hoje são ouvidas em todos os continentes: “California Dreamin’” e “Monday, Monday”.

Dos shows em troca de comida, bebida e algum dinheiro, The Mamas and The Papas tornaram-se ricos e requisitados para apresentações em toda a parte. A pressão foi excessiva para os jovens hippies, que defendiam um estilo de vida avesso ao que lhes era proposto. E, em 1968, após o lançamento de seu quarto LP, o grupo se desfez.

Por exigência contratual, ainda reuniram-se em 1971 para gravar e lançar aquele que seria o quinto álbum: “People Like US”. Antes dele, além do já citado, lançaram: “The Mamas and The Papas” (1966), “Deliver” (1967) e “The Papas & The Mamas” (1968). Em 1971 também foi lançado “Monterey International Pop Festival (Live)”, com músicas apresentadas pelo grupo no festival californiano, realizado entre 16 e 17 de julho de 1967.

Dos quatro integrantes dos históricos The Mamas and The Papas, apenas Michelle Phillips, nome artístico de Holly Michelle Gilliam, ainda vive e está com 74 anos. Ellen Naomi Cohen ou Mama Cass Eliot, morreu em 1974, aos 32 anos; John Edmund Andrew Phillips morreu em 2001, aos 65; e Dennis Gerrard Stephen Doherty morreu em 2007, aos 66.

Entre 1982 e 2012, distintas formações do grupo The Mamas and The Papas realizaram shows e gravações, sempre reunindo bom público, inclusive no Brasil.

Em um de seus últimos depoimentos, John Phillips declarou: "Quando as harmonias realmente começam a trabalhar, temos um tom especial, como uma quinta voz. Nós apelidamos de 'Harvey'. Tudo o que posso dizer sobre a música é que 'Harvey' está aparecendo bastante nestes dias".

Sorte de quem aprecia música de qualidade.

*Marco Damy é jornalista e músico.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Marco Damy
  • Postado em: segunda-feira, 30 jul 2018 13:02
      Página Posterior >>
Sobre
O melhor programa de videoclipes da Baixada Santista agora tem um blog com curiosidades, clipes e as melhores músicas da sua rádio preferida. Você também pode pedir sua música por aqui!